O calor recorde do início do ano impulsionou para cima o consumo de energia elétrica residencial. Isso mostra o quão importante é equalizar o gasto de maneira inteligente. Não é mais possível usar recursos naturais por usar. Isso mostra que, mesmo com todos os processos de conscientização, as casas brasileiras ainda precisam entender que além de custar caro, eletricidade tem o acesso cada vez mais disputado e difícil.

A automação residencial é um procedimento que, durante os meses, faz o consumo cair de maneira drástica. Isso ocorre pela racionalização do uso dos equipamentos de ar condicionado com a seleção da temperatura ideal, uso equilibrado de luz natural, evitando que gaste-se mais ou menos energia por causa do calor externo ou uso inadequado da iluminação. Esse equilíbrio passa, entretanto, por um uso completo dos dispositivos, como dimmers e cortinas motorizadas, por exemplo.

Sensores de presença são diferenciais!

Para além do uso dos dispositivos eletrônicos de acionamento à distância, há um importante aliado para economia de energia residencial. Condomínios, por exemplo, podem usar tais dispositivos para minimizar o consumo macro, o que impactará em redução progressiva nos índices de gastos. Afinal, em tempos de calor, é impossível pensar em redução do uso de ar-condicional. Assim, medidas alternativas podem ajudar a, no próximo verão, decrescer os números residenciais, visto que em outros setores, essa redução já pode ser notada.

Para o próximo verão, a expectativa é por temperaturas ligeiramente menores

Para o ano de 2017, o consumo residencial poderá ter melhores índices. Isso se dá pela presença do fenômeno La Niña que atua trazendo temperaturas mais amenas nas estações primavera e verão. É o momento ideal para migrar para sistemas de automação residencial e até mesmo comercial, aproveitando a economia com climatizadores e redução progressiva com a implantação dos equipamentos inteligentes. Isso ajuda a pagar o investimento que pode ser rapidamente recuperado.

O calor recorde do início do ano impulsionou para cima o consumo de energia elétrica residencial. Isso mostra o quão importante é equalizar o gasto de maneira inteligente. Não é mais possível usar recursos naturais por usar. Isso mostra que, mesmo com todos os processos de conscientização, as casas brasileiras ainda precisam entender que além de custar caro, eletricidade tem o acesso cada vez mais disputado e difícil.

A automação residencial é um procedimento que, durante os meses, faz o consumo cair de maneira drástica. Isso ocorre pela racionalização do uso dos equipamentos de ar condicionado com a seleção da temperatura ideal, uso equilibrado de luz natural, evitando que gaste-se mais ou menos energia por causa do calor externo ou uso inadequado da iluminação. Esse equilíbrio passa, entretanto, por um uso completo dos dispositivos, como dimmers e cortinas motorizadas, por exemplo.

Sensores de presença são diferenciais!

Para além do uso dos dispositivos eletrônicos de acionamento à distância, há um importante aliado para economia de energia residencial. Condomínios, por exemplo, podem usar tais dispositivos para minimizar o consumo macro, o que impactará em redução progressiva nos índices de gastos. Afinal, em tempos de calor, é impossível pensar em redução do uso de ar-condicional. Assim, medidas alternativas podem ajudar a, no próximo verão, decrescer os números residenciais, visto que em outros setores, essa redução já pode ser notada.

Para o próximo verão, a expectativa é por temperaturas ligeiramente menores

Para o ano de 2017, o consumo residencial poderá ter melhores índices. Isso se dá pela presença do fenômeno La Niña que atua trazendo temperaturas mais amenas nas estações primavera e verão. É o momento ideal para migrar para sistemas de automação residencial e até mesmo comercial, aproveitando a economia com climatizadores e redução progressiva com a implantação dos equipamentos inteligentes. Isso ajuda a pagar o investimento que pode ser rapidamente recuperado.

Consumo de energia cresce em 2016

O calor recorde do início do ano impulsionou para cima o consumo de energia elétrica residencial. Isso mostra o quão importante é equalizar o gasto de maneira inteligente. Não é mais possível usar recursos naturais por usar. Isso mostra que, mesmo com todos os processos de conscientização, as casas brasileiras ainda precisam entender que além de custar caro, eletricidade tem o acesso cada vez mais disputado e difícil.

A automação residencial é um procedimento que, durante os meses, faz o consumo cair de maneira drástica. Isso ocorre pela racionalização do uso dos equipamentos de ar condicionado com a seleção da temperatura ideal, uso equilibrado de luz natural, evitando que gaste-se mais ou menos energia por causa do calor externo ou uso inadequado da iluminação. Esse equilíbrio passa, entretanto, por um uso completo dos dispositivos, como dimmers e cortinas motorizadas, por exemplo.

Sensores de presença são diferenciais!

Para além do uso dos dispositivos eletrônicos de acionamento à distância, há um importante aliado para economia de energia residencial. Condomínios, por exemplo, podem usar tais dispositivos para minimizar o consumo macro, o que impactará em redução progressiva nos índices de gastos. Afinal, em tempos de calor, é impossível pensar em redução do uso de ar-condicional. Assim, medidas alternativas podem ajudar a, no próximo verão, decrescer os números residenciais, visto que em outros setores, essa redução já pode ser notada.

Para o próximo verão, a expectativa é por temperaturas ligeiramente menores

Para o ano de 2017, o consumo residencial poderá ter melhores índices. Isso se dá pela presença do fenômeno La Niña que atua trazendo temperaturas mais amenas nas estações primavera e verão. É o momento ideal para migrar para sistemas de automação residencial e até mesmo comercial, aproveitando a economia com climatizadores e redução progressiva com a implantação dos equipamentos inteligentes. Isso ajuda a pagar o investimento que pode ser rapidamente recuperado.